quinta-feira, dezembro 15, 2011

MIGUEL

A manhã parecia que se desenrolaria como todas as outras: lenta, muito lenta.
Olhei pela janela e o sol, insuportavelmente belo,  já estava radiante e tornava o dia extremamente quente. Minha nuca molhada denunciava o mal estar e cansaço inexplicável que teimava em impregnar meu corpo. Ao lado da cama, a garrafa de vinho vazia delatava a noite anterior: insônia.
Por algum motivo que talvez eu nunca descubra, aquela manhã não seria igual a todas as outras. Claro que eu nem desconfiava disso.
Minha vida estava o que eu chamaria poeticamente de merda: havia me separado, tinha as crianças pequenas, nenhuma pensão, muitas brigas, muitas dívidas e uma mãe que achava o casamento algo sagrado em que as pessoas, apesar do sofrimento, precisam insistir em continuar juntas. Eu estava sem apetite e com muita insônia. O que foi resolvido com o vinho.
Quando as crianças estavam em casa eu só bebia depois que todas estavam dormindo, mas elas estavam de férias na casa da avó, o que facilitava, e muito, meu estilo degradante de viver naquele momento.
Minha auto estima era zero.
Estava ainda apenas de camiseta e descalça, alternando os canais da tv a cabo sem prestar nenhuma atenção específica, os cabelos despenteados, uma mão segurando o controle e a outra uma lata de coca zero.
Em determinado momento, depois de uma grande golada na lata, percebi que estava em um daqueles canais esotéricos e que passava um programa a respeito de anjos da guarda e suas influências. Quase continuei a saga da troca de canais, mas ouvi o nome que ficaria ecoando na minha mente e que mudaria minha percepção a respeito da vida: Miguel.
Ainda não sei bem ao certo porque fixei o olhar na tela, mas o programa já estava no final e só tive tempo de ouvir algumas palavras desconexas pra mim como intercessão, ritual e proteção. Passei o resto do dia prestando atenção aos demais programas do canal, mas ainda não estava pronta, então passei o dia inteiro sem comer nada e esvaziei outra garrafa de vinho para dormir.
O dia amanheceu nublado, uma garoa fina atrapalhava todas as pessoas que precisavam se deslocar pro trabalho ou pra qualquer outro lugar, ou seja, um caos. Menos pra mim, que além de estar de férias do trabalho, achava aquele dia chuvoso perfeito. Estava livre do sol incandescente. Sorte a minha.
Abri a geladeira pra abrir outra lata de coca, meu café da manhã, e automaticamente me lembrei do programa no dia anterior. Corri pra sala e sintonizei no canal, o nome do canal era Infinito, o que por si só já era sinistro pra mim, mas percorri a grade de programação e encontrei o que buscava. Uma série sobre anjos da guarda era a próxima atração. Desta vez assisti do início ao fim e  a cada descritiva, a cada depoimento, a cada relato histórico mais me interessava pelo assunto.
Quando o programa acabou, fiz algo que não tinha disposição para fazer havia dias: tomei um banho, me arrumei e sai. Fui em busca de um Sebo para procurar algum livro sobre anjos.Não tive dificuldade, as prateleiras estavam lotadas de livros, e como não conhecia nada segui minha intuição. Este primeiro livro devorei em apenas algumas horas sentada numa lanchonete comendo kibe e tomando coca. Voltei no Sebo e comprei outros dois livros que levei pra casa.
Naquela noite mais uma vez precisei esvaziar uma garrafa para ter sono e dormir.
O dia seguinte ainda se mostrava perfeito com muita garoa e frio, e ao abrir os olhos, ainda sonolenta, me lembro de sentir alguma coisa transformada dentro de mim. Eu estava energizada.
Tomei um banho, caminhei até a padaria e comprei meu café da manhã, desta vez a coca cola ficou de lado, algo raro. Enquanto comia meu pão, lia os livros recém comprados.
Passei o dia no sofá, lendo, comendo e assistindo a filmes.
Naquela noite eu não precisei do vinho e adormeci no sofá com o livro nas mãos. Dormi a noite inteira.
Quando acordei, juntei todas as garrafas vazias (e as cheias também) e dei adeus aquilo tudo. Aquilo não era eu.
Á partir desse momento, Miguel, ou Arcanjo Miguel, nunca mais saiu da minha vida e esteve comigo em todos os momentos que atravessei. Minha fé em Miguel beira a adoração. Sei que ele e seus anjos protegem meus caminhos e minha família.Já fiz pedidos impossíveis de serem realizados, segundo a minha percepção humana, e que foram atendidos em tempo recorde.
Merecimento? Pode ser, mas eu penso que somos parceiros.
Converso com Miguel como conversaria com um amigo comum, mas sou muito grata por toda a proteção e todo auxílio que consegui quando menos esperava, tudo depois de um simples bate papo.
Este post não pretende agregar seguidores, apenas relato o que aconteceu na minha vida e me fez buscar novas escolhas e caminhos..
Eu ainda voltaria com aquele marido, mas me separaria definitivamente tempos depois, porém nunca mais precisei de vinho pra dormir e tive forças pra me reerguer, conquistar minha independência e criar meus filhos sozinha. Minha mãe me apoiou incondicionalmente e ficou muito feliz quando, cinco anos depois, finalmente encontrei o amor da minha vida. Outro pedido que também fiz a Miguel.
Hoje Miguel habita meu altar, minhas preces e faz parte da minha família.
Claro que vez ou outra, tenho umas recaídas deprê. Entendi que sou assim mesmo: intensa, questionadora e profundamente necessitada de introspecção. Ainda sou apaixonada pelos dias de chuva. Mas aprendi a admirar os dias de sol também.
Outro presente de Miguel.




Você pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...