sábado, outubro 15, 2011

EU, MEU AMOR E A VOZINHA

Ela desce a escada irritada porque ascenderam a luz do quarto "cedo", entenda-se 10:00 horas da manhã, horário em que muita gente já está almoçando, diria minha mãe se referindo aos trabalhadores rurais." Não acredito nessa falta de respeito" brada ela para o irmão que, inerte na mesa lê atentamente a página de esportes.Percebo que ele ouviu os protestos inflamados pelo arquear de sobrancelha, mas ignora e mantém o olhar fixo no jornal. " Queria só ver se fosse eu que ascendesse enquanto você estivesse dormindo" continua ela, parecendo mais irritada ainda com o descaso, e eu, boba que não sou, nem me intrometo e continuo também lendo minha página de jornal fingindo não ouvir nadinha que está acontecendo ali mesmo, na cozinha de casa.
Então, algo acontece.
Subitamente toca o celular e ela corre a atender prontamente.Dou uma olhadinha com o rabo do olho enquanto ela atende " oooi amor..." e eis que o milagre se faz: uma vozinha infantil e ridícula, pra dizer o mínimo, toma conta daquele corpinho que a pouco urrava indignada.
Inacreditável!
E a tal vozinha não termina nunca " ...eu também mô..." seguida de risadinhas tão infantis quanto o tal "mô", e eu não aguento.Finalmente o celular é desligado e eu disparo " que vozinha ridícula é essa Gabi??" e ela " mãe você fala igualzinha com o papai quando ele liga!"
O quê?? Como assim??
Eu NÃO falo desse jeito! Não senhor!
Seria extravagante demais, assim, meio Boy George, só que sem o vestido, a sandália e a maquiagem.
Combina? Claro que não!
É a mesma coisa esse tipo de vozinha com a minha pessoa, "não orna" entendeu??
Fiquei com a pulga atrás da orelha, e decidi prestar atenção quando meu marido ligasse, o que não demorou a acontecer." Maaaãe, é o pai..." grita meu filho ao atender o telefone e eu sem nem pestanejar " ooooi amor" e aí percebi a vozinha e consertei " oi, tudo bom?" mas achei muito frio e tentei de novo " hã, e aí, beleza?" e achei hippie demais e desliguei na cara do meu marido, assim, sem mais nem menos. " Maaaãe, é o pai de novo..." e meu marido, " o que aconteceu? caiu a linha? e foi impressão minha ou você tá doidona?" e eu  "olha amor é o seguinte, eu NÂO quero me transformar numa pessoa alienada, infantil, de QI debilóide ! Eu sou uma mulher adulta, inteligente! Eu vi coisas, eu fiz coisas, eu provei sangue, eu não quero me transformar na miss cafonice, sabe como é? uma mistura de lorde inglês com jagunço do sertão, mas depois que eu descobri que falo com essa tal vozinha melosa , ahh amor, minha vida nunca mais será a mesma!!" e dei um longo suspiro. Seguiu-se uma pausa que mais parecia o buraco negro de tão longa.
Aí, meu marido disse que nós não falamos assim, em tom de disco na rotação errada, só falamos com sentimento e por conta disso temos um carinho maior na voz, e as pessoas que se amam  falam assim mesmo.
Fiquei até envergonhada.
Poxa vida, logo eu, que adoro um romantismo, vou implicar com uma vozinha melosa?
Ahh, que se danem as lógicas existencialistas, agora vou declarar meu amor a quem quiser ouvir.Estou até pensando em colocar pra tocar Kerry Whispers do George Michael pra deixar BEM CLARO que eu não tenho vergonha dessas coisas.
Nesse momento posso ouvir meu marido dando uma tossidinha e dizendo "menos amor....menos...."

Você pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...