quarta-feira, maio 25, 2011

EU, ELA E O KEITH

Eu sou uma apaixonada por Keith Richards e todo mundo sabe dessa minha paixonite.
Não ligo a mínima pro fato dele ter quase a idade da minha mãe(exageraaada), ou não ser assim, propriamente dito, um modelo de beleza e virtude.
Eu amo o Keith e pronto.
Daí que essa manhã ao ler a crônica engraçadíssima de Antonio Prata foi impossível não me solidarizar com ele que, assim como meu marido, também está anos luz de distância do Keith, pois se aventura para o Antonio é ir até o Sesc Belenzinho, para o meu marido é ir até a feira de domingo.
Sendo assim caro amigo(com todo o respeito que a palavra merece), relaxe e entenda que nossa paixão pelo Keith e sua guitarra é profunda e visceral, mas de fato não se compara a sinfonia de amor composta e orquestrada dia a dia por vocês, nossos amados maridos,e a nossa Satisfaction só é completa ao lado de um barrigudinho charmoso, ou vá lá, de um escritor que consegue a proeza de chamar um bule de Doutor Roberto. Portanto honey, Don't Stop, baby dont'stop...




QUANDO ME PERGUNTAM "e aí, tudo bem?", eu respondo que sim, "tudo ótimo", mas é mentira. Não está tudo ótimo, está tudo péssimo: faz um mês, minha mulher se apaixonou pelo Keith Richards -e não tenho a menor ideia do que fazer.
A paixão foi despertada pela biografia do guitarrista, que eu mesmo, num desses irônicos maus passos da vida, lhe dei de aniversário. Cazzo, como eu ia imaginar que o livro do mais feio dos Rolling Stones, aquele ex-pirata bexiguento, pudesse fazer brotar em minha amada -uma moça fina, discreta e, até então, equilibrada- semelhante sentimento?
Não foi amor à primeira vista. No começo, ela ficou chocada. Enquanto lia, esticada no sofá, fazia caretas: "Nossa, que horror, ele comprou meio quilo de heroína!", "Uau, que imbecil, ele jogou uma faca no produtor!", "Que isso?! Ele deu um tiro no chão do hotel, porque o Charlie Watts tava fazendo barulho no quarto de baixo!".
Aos poucos, contudo, vi em seu rosto o asco se transformando em admiração, a delinquência sendo interpretada como liberdade. "Olha isso: eles voltavam de uma festa, muito loucos, lá na França, pegavam o veleiro do Keith e iam tomar café da manhã numa ilha!", "Putz, ele não tinha casa, morava cada semana com uma groupie diferente!".
Eu, da minha poltrona, um livro aberto no colo, um copo de Coca Zero na mão, a léguas de distância de groupies, heroína, facas e veleiros, apenas ouvia, apreensivo.
Ninguém é menos Keith Richards do que eu. Nunca briguei. Não discuto nem com flanelinha. Aventura, para mim, é ir até o Sesc Belenzinho, num domingo.
Se minha mulher caísse de amores por um escritor, por um arquiteto, um advogado, eu teria uma margem de manobra, talvez conseguisse mostrar que sou mais legal do que o outro, mas como competir com um cara que, aos 70, quebra a cabeça caindo de um coqueiro -e só se dá conta do estrago uma semana depois?
Será que era esse o tipo de homem que ela esperava que eu fosse, desde que nos conhecemos, há quatro anos? Será que, enquanto eu me esforçava para usar corretamente os talheres e não falar de boca cheia, ela sonhava com brigas de cadeirada e moshes de três metros de altura?
Quinze dias atrás, cansado de sofrer calado, não deixei que ela terminasse de me contar sobre uma suruba em Ibiza, em 1971; virei minha Coca como se fosse Jack Daniels e perguntei, na lata: "Você está a fim desse cara?". Passado o susto, ela assumiu. "Tô. Um pouquinho."
No bar, diante de uma cachaça, ouvi os consolos de um amigo. Essas paixões platônicas são muito comuns, me garantiu. Confessou-me que ele mesmo, ano passado, caiu de amores pela Lady Gaga. Depois esqueceu. Um conhecido nosso, disse-me, quase enlouqueceu com a Lídia Brondi na reprise de "Vale Tudo". "Pensa no lado bom: antes o Keith Richards do que o Capitão Nascimento, né?" Verdade.
Em breve, ele jurou, minha mulher terminará de ler a biografia e a paixonite sumirá, provando que três simples acordes de guitarra jamais abafarão a bela sinfonia que, ano após ano, lentamente, estamos compondo. Torço para que isso aconteça. (E para que Keith Richards resolva, qualquer dia desses, subir novamente num coqueiro).






Texto: Antonio Prata.
Imagem: Reprodução

Você pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...